O Astrólogo

Horácio Tackanoo

Horácio Tackanoo é paulista e estuda as Escrituras Védicas há mais de 30 anos, tendo vivido por quase dez anos no Oriente, em países como Japão, Tailândia, Indonésia e Índia. Neste último, foi iniciado pelos grandes mestres para trabalhar com os métodos, técnicas e sistemas védicos. Tem vasta experiência e já analisou mais de 8.000 horóscopos. É autor de artigos em revistas especializadas em astrologia, mitologia, filosofia e ioga. Ministra palestras e cursos e faz leituras de mapa astral de acordo com a visão védica.

Nenhum destino é imutável: com dedicação e fé, é possível usar o mapa astral a nosso favor. É o que nos ensina a astrologia védica, que vem sendo praticada na Índia há mais de 5.000 anos e que hoje se revela ao alcance de todos.

Atitude Correta

Entre as pessoas que vêm se consultar comigo, algumas das perguntas que mais ouço são: que tipo de trabalho será mais adequado para mim? Estou em momento propício para viagens? Quais as melhores datas para iniciar meus negócios? Qual a melhor época para comprar minha casa? Que espécie de curso eu deveria fazer? Estou em um bom período para concepção de filhos? Tenho um bom carma para jogos de azar? Quanto tempo vou viver?

Seja qual for a sua questão, lembre-se: é preciso conscientizar-se de suas dúvidas e saber o que perguntar ao astrólogo. Além disso, quando for a uma consulta astrológica, não é preciso ser desafiador, nem cético, nem desvalorizar esse trabalho, nem ter a sensação de “entrar numa aventura”. A astrologia védica é uma ciência que nos foi legada pelos antigos sábios. Usufrua dela!

Conselhos

Sua postura e disposição ao participar de uma consulta astrológica fazem toda a diferença! Por isso, controle a ansiedade e procure:

  • perguntar apenas uma questão de cada vez;
  • manter sua mente concentrada na resposta.

astrologia é capaz de responder a qualquer questão, desde que sua pergunta seja objetiva e direta. Se sua pergunta for ambígua, a resposta será ambígua também!

Exemplos de perguntas objetivas:

  • Devo entrar no ramo de cosméticos?
  • Devo tomar dinheiro emprestado para iniciar meu negócio?
  • Vou me casar?

Mesmo que a resposta não seja a que você gostaria que fosse, o astrólogo tem de ser honesto e dizer, objetivamente, o que está em seu mapa.

Disciplinas Védicas

Perante tantas trilhas, podemos virar uma esquina e – epa! – nos perdemos. Viramos as costas àqueles que mais amamos. Passamos anos nos esforçando em trabalhos os quais, afinal de contas, não eram destinados a nós, e acumulando prejuízos. Por ambição e vaidade, nos apossamos de objetos e posições que não são nossos e que nos cobram altíssimos preços para que os mantenhamos sob controle. Recusamos assumir nossas tarefas. Alimentamos nossos preconceitos. Enterramos nos baús da memória nossa inocência, alegria e criatividade. Esquecemos quem somos.

Para conseguirmos reencontrar os caminhos que nos levam aonde queremos chegar, a modernidade inventou os satélites e os sistemas de posicionamento global. Falhos. Há milhares de anos, os sábios já conseguiam observar nas estrelas mapas infalíveis. Como nos conectar a eles?

Além das informações e das disciplinas de que falamos brevemente aqui, os Vedas recomendam, sempre, que sigamos certas regras. Algumas parecem antigas e profundamente culturais: adorar, todos os dias, os animais, os sacerdotes, os sábios, os professores e os deuses (os animais e professores que o digam!). Nunca sair de casa sem reverenciar um objeto sagrado. Ser muito cuidadoso para não pisar nas sombras das deidades e dos templos. Nunca entrar em uma casa incendiada, pisar em bandeiras ou subir até o topo de uma árvore. Nunca entrar em uma floresta sozinho e, quando o fizer, ou viajar à noite, carregar um bastão. Evitar a aproximação de animais selvagens. Passar sempre sândalo e carregar um guarda-chuva quando o sol não estiver presente, ou estiver chovendo. Cobrir a boca quando bocejar. Nunca viver sozinho numa casa.

As outras são pequenos grandes gestos, às vezes imperceptíveis, minúsculas sementes que vamos espalhando pela estrada: não roubar, não mentir, não invejar. Nunca proferir palavras ofensivas. Não criticar nem procurar faltas em outros. Evitar as companhias maléficas. Fazer amizade com todos os seres vivos. Falar a verdade, sempre. Mas, quando a verdade machucar outras pessoas, calar.

Parece simples, caro leitor. Mas essas atitudes delicadas às vezes exigem mais esforço e podem ser mais poderosas do que todos os outros poojas que você possa um dia fazer. Busque o seu caminho. A escolha é sua.

Namastê!